Entrevista

29 mar

Faz um tempão que não escrevo aqui. Nem contei que fui para o Brasil, fiquei três meses e resolvi voltar para a Irlanda.

Sei lá, perdi o tesão em escrever. A gente muda, a vida muda. “O mais estranho é que no dia a dia nada parece mudar e daqui a pouco já está tudo diferente.” 

Eis que ontem uma das minhas irmãs me pediu ajuda em um trabalho da faculdade. Ela está lá em São Paulo e eu aqui em Dublin. A mocinha precisava entrevistar um imigrante na Irlanda (ela não me explicou se escolheu a Irlanda por minha causa ou se foi coincidência. Anyway…) 

Por causa do fuso horário e bagunça nas nossas agendas, ela me mandou as perguntas por e-mail e eu achei-as tão pertinentes e interessantes que resolvi compartilhar com vocês, que por acaso cheguem a esse blog falido.

As perguntas são da Mariana, as respostas minhas. Espero que ajude a quem busca informação sobre “morar na Irlanda”.

Papai matando saudade da filhinha

Papai matando saudades da filhinha

Nome: Ana Paula Marques Borges
Idade: 29 anos
Profissão: Jornalista

1) Porque você escolheu a Irlanda para morar?

Por vários motivos. Em primeiro lugar, porque a Irlanda é um país de língua inglesa (quando vim para a Irlanda em 2010 vim para estudar inglês, eu não tinha intenção de ficar aqui mais do que o ano do intercâmbio). Depois porque a Irlanda é um país pouco burocrático, em outras palavras, o governo irlandês permite, por exemplo, que o imigrante trabalhe desde que ele tenha um visto específico ou pelo menos o visto de estudante, e por ser um país acolhedor com brasileiros. Por fim porque a Irlanda está localizada no continente europeu, o que facilita o deslocamento para outros países que eu desejo conhecer.

2) Quanto tempo faz que você está morando na Irlanda, e o que conquistou nesse tempo?

Estou na Irlanda há um ano e meio. Conquistei muitas coisas, a mais importante delas foi a fluência em uma segunda língua. Hoje tenho confiança e perdi a vergonha de me expressar em inglês. Às vezes acontece de não saber uma palavra mais complicada, mas consigo me comunicar em qualquer situação.

Além do inglês, conheci pessoas de diversas partes do mundo: espanhóis, franceses, italianos, poloneses. Visitei quatro países, ganhei muitas fotos no álbum de fotografias e inúmeras histórias para contar.

3) Quais eram seus objetivos ao ir morar na Irlanda? Foram alcançados?
O objetivo principal era melhorar o inglês e isso com certeza foi alcançado. Eu também gostaria de arrumar um emprego como jornalista para voltar para o Brasil com um diferencial no currículo, mas infelizmente isso eu ainda não consegui.

4) Quanto às oportunidades de emprego, conte um pouco sobre suas dificuldades e experiências.

Com a crise na qual a Europa se encontra, a taxa de desemprego no país aumentou e as vagas ficaram mais concorridas.

A Irlanda é um país que pertence à União Europeia e, por essa razão, irlandeses e cidadãos europeus de países como França, Itália, Espanha, etc., tem prioridade na disputa por uma vaga de emprego. Ainda assim, não europeus que possuem visto de trabalho ou de estudante têm permissão para trabalhar.

Na minha opinião, é difícil conseguir um trabalho em áreas que exigem maior qualificação, como medicina, engenharia, publicidade e marketing, jornalismo, etc., pois além de não dominarmos 100% o idioma, não temos experiência e não conhecemos o mercado de trabalho no novo país, e também não temos bons contatos que possam nos abrir portas.

Normalmente os imigrantes não europeus acabam conseguindo empregos que exigem menor especialização e experiência e trabalham como chefes de cozinha, garçons, vendedores, cabeleireiros, entregadores, faxineiros ou babás.

Eu, por exemplo, me formei em jornalismo, trabalhei quatro anos como editora de revistas e hoje sou garçonete em um restaurante italiano. Ganho o suficiente para pagar aluguel e todas as minhas despesas como energia elétrica de casa, TV à cabo, internet, celular, supermercado e ainda sobra para amenidades como roupas, lazer e viagens.

O salário que eu ganhava como jornalista no Brasil não me permitiria pagar metade das coisas que eu pago aqui na Irlanda. Viver no Brasil é muito mais caro.

5) Quais foram as maiores dificuldades profissionais e de adaptação no país?

Dificuldades de adaptação: a primeira dificuldade é entender o que os irlandeses falam, o sotaque é indecifrável no início. Depois tem a diferença de clima e temperatura, o medo de que dê tudo errado, o choque cultural, a saudade da família e dos amigos que ficaram no Brasil, mas fazer novos amigos não é difícil. Logo você estará encontrando imigrantes que, como você, se sentem sozinhos.

Dificuldades profissionais: as maiores dificuldades na hora de arrumar um emprego para mim foram descobrir como montar um bom currículo, em inglês, e onde começar a procurar.

O que é melhor, procurar vagas pela Internet e mandar currículos por e-mail ou sair andando pelas ruas olhando em lojas e restaurantes que precisam de funcionários? O ideal, na minha visão, é a combinação dos dois.

Também conversei com os professores na escola onde estudava na época e eles me ajudaram com o currículo. Falei com quem já estava na Irlanda há mais tempo e consegui boas dicas e li muita coisa em blogs na Internet.

6) Quais dicas você daria aos jovens que pensam em ir morar na Irlanda?

A minha dica é: se você tem um sonho, não desista dele! Muita coisa pode dar errado, você vai sofrer, vai chorar, vai sentir saudade, vai passar vergonha quando um nativo falar em inglês com você e você não entender, mas você vai amadurecer.

No exterior, longe da zona de conforto do nosso país de origem, a gente aprende muitas lições: aprende que estereótipos estão furados, aprende a tolerar as diferenças, aprende a administrar e economizar dinheiro, aprende a dar menos valor às coisas materiais e mais valor às amizades, aprende a dar valor aos nossos pais que antes pareciam tiranos. Aprende que o Brasil é um país maravilhoso e cheio de qualidades.

7) Quais as principais diferenças culturais entre Brasil e Irlanda na sua opinião?

As diferenças são incontáveis, mas a que me chama mais a atenção é como o irlandês se sentem em relação ao contato físico com outras pessoas. Brasileiros beijam e abraçam uns aos outros, os irlandeses não. Mesmo quando acabamos de ser apresentados a uma pessoa temos o costume de beijá-la e os irlandeses não gostam muito disso.

8) É comum encontrar muitos brasileiros morando na Irlanda?

Sim, muito comum! A estimativa é de que 30 mil brasileiros vivam na Irlanda hoje. Por todo lugar que você ande, você ouvirá pessoas falando português.

9) Além de brasileiros, imigrantes de quais outros países é comum ver ai?

Os imigrantes mais comuns aqui são chineses, poloneses, ingleses, lituanos (Lituânia) e letões (Letônia).

10) Se pudesse descrever em uma palavra a experiência que está vivendo nesse país qual seria?

Aprendizado!

3 Respostas to “Entrevista”

  1. Gabriela abril 11, 2012 às 3:27 pm #

    Olá!
    Estou planejando ficar 1 ano em Dublin no final do ano que vem!
    Será que podemos trocar e-mails para trocarmos figurinhas? rs
    Tenho algumas dúvidas e nada melhor do que alguém que está no país para me ajudar!
    Aguardo contato!
    Bjs

    • Ana Paula Marques abril 12, 2012 às 9:58 am #

      Olá Gabriela,

      entrarei em contato com vc em breve.

      Espero que vc tenha curtido o blog. Abracos!

  2. Morgana abril 23, 2014 às 12:25 am #

    O que fez você voltar para a Irlanda? (Depois de ficar três meses no Brasil?)
    Desistir do jornalismo, mesmo que por um tempo, foi tranquilo?
    Também sou jornalista e penso em ir para a Irlanda aprender inglês, já que o fato de não saber prejudica muito na hora de procurar emprego.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: